O PESADELO DO REMÉDIO DA MENOPAUSA

Premarin.jpgQuando a maturidade chega e mais e mais mulheres se encontram passando pelas "mudanças da vida", muitas serão aconselhadas por seus médicos a tomar remédios que repõem o estrógeno para aliviar os sintomas da menopausa. Mas a droga mais comumente prescrita tem pelo menos um efeito colateral: a CRUELDADE.

A droga é o PREMARIN, um substituto do estrógeno extraído da urina de éguas grávidas.

A droga é rotineiramente prescrita para mulheres que se submeteram a histerectomias ou que estão sentindo os sintomas da menopausa, e também para mulheres no pós-menopausa, na prevenção de osteoporose e doenças cardíacas.

Com a estimativa de 8 milhões de mulheres tomando regularmente a droga, e 43 milhões de mulheres entrando na menopausa, a indústria de urina de éguas grávidas (UEG) prospera a todo vapor.

Enquanto isso produz grandes lucros para a Ayrest Organics,Inc., fabricante do PREMARIN com base no Canadá, também produz desgraça e morte para milhares de cavalos e potros.

 

POUCO CASO COM A MATERNIDADE DOS ANIMAIS: Para produzir a droga, as éguas são engravidadas e depois recebem um coletor de borracha preso a uma mangueira.

Como deixar as éguas soltas no pasto significa perder um pouco de sua preciosa urina, elas são forçadas a ficar de pé sobre chão de concreto em baias minúsculas de 2,44m de comprimento por 1,07m de largura durante os 11 meses de gravidez. Por mais da metade do ano - de setembro a abril - as éguas ficam impossibilitadas de dar mais de 2 passos em qualquer direção, a largura das baias impede até simples movimentos como virar-se ou deitar-se direito.

Fazendeiros que arrendam suas éguas para as instalações de UEG relataram que as éguas retornaram aleijadas e com a saúde comprometida e um ex-funcionário da fazenda documentou diversas mortes na fazenda onde trabalhava, em Minitoba.

 

Após o nascimento é permitido que as éguas pastem apenas alguns meses com seus potrinhos, período em que elas são re-engravidadas, separadas de seus bebês e recolocadas na linha de produção.

 

O DESTINO DOS POTRINHOS: Como os bezerros que são tirados de suas mães para serem criados como vitelas, os potrinhos das éguas são meramente um "sub-produto" da produção das fazendas de UEG.

Alguns são mortos imediatamente ao nascerem, outros mantidos para substituírem as éguas exaustas e para expandir a produção, a maioria é vendida quando estão com aproximadamente 4 meses de idade, enviados para engorda e abatidos.

 

OS "PROTETORES DA VIDA" LEVANTAM A VOZ: A crueldade da indústria de UEG tem causado um clamor entre os norte-americanos, incluindo os ativistas dos direitos dos animais e grupos feministas.

 

Os problemas com o processo de fabricação, especialmente o tratamento dado aos resíduos com "cheiro de potro" do produto, preocupam ambientalistas e legisladores canadenses.

A expansão proposta nas instalações de produção da Ayrest, em Manitoba, ameaça assoberbar um sistema de tratamento de esgoto já sobrecarregado.

Além disso, de acordo com Marianne Cerilli, membro da Assembléia Legislativa e Crítica Ambiental para o Novo Partido Democrático Canadense, a expansão tem sérias consequências para o rio Assinboine. Um rio que a população de Manitoba usa como fonte de água potável. A própria terapia com hormônio anda sob investigação minuciosa devido a possíveis riscos à saúde.

 

Uma vez que o estrógeno sintético agora pode ser fabricado a baixo custo, coletar UEG é um método cruel e antiquado de produzí-lo.

O PREMARIN é a única droga para tratamento da menopausa que ainda é fabricada com estrógeno animal, enquanto outros estrógenos, como o ESTRADIOL (SISTEMA TRANSDÉRMICO), ESTRADIOL (COMPRIMIDOS), ESTROPIPASE e o ESTRONE são mais eficazes.

 

Em resposta à proteção animal no Canadá que conseguiu fechar a indústria de UEG em Ontário dos anos 70, a indústria projetou um "Código Prático Recomendado" que delineia cuidados básicos com os cavalos usados na produção de urina.

Entretanto, tal código contém meramente recomendações e falham em proporcionar aos cavalos o mínimo de proteção.

 

UMA INDÚSTRIA EM CRESCIMENTO: Em 1993 estima-se que 75.000 éguas em 485 fazendas espalhadas pelo Canadá e Dakota do Norte foram confinadas para coleta de urina, dando à luz a 90.000 potrinhos, e o número pode triplicar nos próximos anos se as mulheres continuarem usando o PREMARIN.

 

O QUE VOCÊ PODE FAZER: Falar com suas amigas, pessoas de sua família e aconselhá-las a usar medicamentos sintéticos que além de não ter o fator crueldade, são muito mais seguros.

Fale também com seu médico!

Os medicamentos também podem ser substituídos por alternativas naturais.

A osteoporose e as doenças do coração podem ser evitadas com uma dieta de alimentos não gordurosos de baixa caloria, e formas eficazes de estrógeno de origem vegetal podem ser encontradas em alimentos como o tofú ( queijo de soja ), bagas em geral e frutas cítricas.

 

- Boicote os produtos das Cias da família Ayerst, Whiteball Labs (fabricantes do Advil, Dristan e outros)

- Escreva para o governo canadense protestando: Minister Lloyd Axworthy - Department of Western Diversification - House of Commons - 418-M Center Block - Otawa, Ontario KIA 0A6 - Canada

 

( Este texto foi fornecido pela PETA- People for the Ethical Treatment of Animals, traduzido pela SUIPA- Soc. União Internacional Protetora dos Animais - http://www.suipa.org.br )

 

Visite o site "EQÜINE ADVOCATES" www.equineadvocates.com e acesse as páginas sobre e sobre CENESTIN (O "Premarin sintético") www.equineadvocates.com.cenestin.html

Acesse as outras páginas deste site, clicando abaixo no assunto desejado.

Animais SOS (home) http://br.geocities.com/animaissos I Animais Domésticos I Animais Selvagens I Assuntos Gerais I Apelo de um cão I Pq alguém comeria seu melhor amigo? I Empresas que fazem testes em animais I Empresas que não fazem testes em animais I Links que devem ser visitados I Leis Brasileiras I Jornal Animal I Índice Geral do Site I Copyright © 1996 - Lenita Ouro Preto Last update: 15 SET 98 / 13 MAR 2002 Webmaster: op@marlin.com.br

*TAGS são temas do blog : ,
publicado por LauraBM às 20:22